sábado, 22 de março de 2008

eu sou...


O que ainda não aconteceu.
Sou,


O que ainda não mostrei

Sou,

Espectro de desejos enormes

Sou

O que anseia dar,

Ser,

Sentir (mais)...

Mas que no entanto, ainda não renasceu neste ser
de agora.
Percorro, sem destino


Esta fraca existência minha

Entristeço-me, quando olho para o
momento


Que não sei se existe no
concreto...


Quero acreditar

Quero saber que é o momento exacto

De me libertar do silêncio

De poder pronunciar as palavras que gritam no
peito.
Fujo,


Escondo-me em mim...

No vazio, que permiti rodear-me.
Vejo-te,


Mas finjo não perceber...

Se te sinto?

Não anjo...esqueci de acordar esse meu instinto,
quando me perdi


Quando te perdi, já foi à tanto tempo!
Hoje
percebo, que faz tanto tempo...
Renasço como fénix mágica, das cinzas soltas
pelos teus passos...


No dia que foste embora.
Ainda que me doa
todo o corpo,


A alma...

Renasço a pouco e pouco.

Aprendi a estar só.

Um comentário:

Carlos P disse...

Muda, que quando a gente muda o mundo muda com a gente!
A gente muda o mundo na mudança da mente!
E quando a mente muda a gente anda pra frente!
E quando a gente manda ninguém manda na gente...
Na mudança de atitude não há mal que não se mude nem doença sem cura
Na mudança de postura a gente fica mais seguro
Na mudança do presente a gente molda o futuro